Friday, 8 June 2012

TV Tupi 4 - TV Paulista 5 - TV Excelsior 9

A TV Record - Canal 7 de São Paulo era inovadora, e trouxe a maior parte dos cartazes internacionais que visitaram São Paulo. No entanto havia outras três emissoras paulistas que também trouxeram grandes cartazes.

Edith Piaf foi trazida pela Organização Victor Costa - TV Paulista, Canal 5. Neil Sedaka foi patrocinado pela TV Tupi, Canal 4.  E finalmente, a partir da inauguração da TV Excelsior, Canal 9, em 1960, a emissora da rua Nestor Pestana trouxe Gilbert Becaud e Ray Charles o supra-sumo da musica internacional.

Edith Piaf & Marlene in 1957.

1 9 5 7

Edith Piaf - 27 Maio 1957 'ao vivo' na TV Paulista, Canal 5.

The Platters - 17 a 26 Setembro 1957 no Teatro Paramount de São Paulo, sendo televisionados pela TV Record. No Rio de Janeiro foi a TV Tupi, Canal 6 que mostrou the Platters aos cariocas.

Bienvenido Granda (El bigode que canta) - 18 Outubro 1957, na TV Tupi

1 9 5 9

Roy Rodgers - se apresenta em 24 Janeiro 1959, na loja Clube da Lady, em Higienópolis, sendo homenageado pelas Sears Roebuck, com almoço no Hotel Jaraguá. Rodgers acabou aparecendo no video através da TV Record.

Neil Sedaka - 10 a 15 Novembro 1959 - Sedaka se apresenta no Cine Marachá, na rua Augusta, em espetáculos promovidos pela TV Tupi, que tinha auditório no Sumaré, mas achou melhor apresentar o 'ídolo teen' em lugar mais central para o maior comparecimento dos 'brotos'. Neil Sedaka ainda era pouco conhecido no país tendo sido o autor de 'Estúpido cupido' (Stupid Cupid) que se tornou coqueluche nacional na voz de Celly Campello e a balada 'The diary' interpretada por ele próprio.

Neil estava muito gripado e os shows foram muito mal organizados, resultando em fracasso de público. A chuva constante não ajudou tampouco. A sorte grande de Sedaka é que enquanto ele se apresentava entre nós, 'Oh Carol' alcançava o 9o. posto na parada da revista Billboard, o que abriu caminho para ele se tornar um ídolo teen por lá também.

Teddy Randazzo - 20 Maio 1959. Vai aí o que aparece na coluna do Miguel Vaccaro Netto na Ultima Hora: 'Teddy Randazzo esteve em São Paulo. Passa da gravadora Vik para a ABC-Paramount, a mesma gravadora de Paul Anka.' Afinal, não diz se Randazzo chegou a se apresentar por aqui ou estava apenas de passagem em sua viagem à Buenos Aires.

Mais abaixo, veja a coluna do Estadão da jornalista norte-americana Mary Wynne que diz Teddy Randazzo foi contratado para cantar no Jardim de Inverno Fasano entre 1o. e 7 Maio 1959.

5 April 1959 - Estadão's columnist Mary Wynne says columnist Egas Muniz told her Jardim de Inverno Fasano would sign some international attractions to perform at their restaurant on Avenida Paulista. US singer Damita Jo would be engaged from 17 to 23 April 1959; Teddy Randazzo would be there from 1st to 7 May 1959.
1st May 1959 - columnist Mary Wynne says: Jardim de Inverno Fasano, com excelente cozinha e impecável serviço, jantar desde as 19:00 horas, musica para dançar com dois ótimos conjuntos a partir das 22:00 horas... jovem cantor norte-americano Teddy Randazzo, especialista em 'rock and roll'. 
3 May 1959 - Here's the proof Teddy Randazzo performed at Jardim de Inverno Fasano for at least 5 days in May 1959. It is really baffling that no photo of Randazzo's ever appeared in any newspaper or magazine. It is really mind-boggling.

1 9 6 0

Lena Horne - 24 Maio 1960 se apresenta no Copacabana Palace. Lena não vem à São Paulo. 

Lena Horne listens to marvelous Dorival Caymmi in Rio.

Booker Pittman, Lena Horne, Ophelia Pittman and Brazilian guitarrist Bola Sete.

Lena em autêntico ‘one-woman-show’ cantou, dançou, transpirou e arrebatou

‘Diferente’ é a palavra que melhor define Lena Horne. Canta diferente, apresenta-se diferente, é diferente em tudo. A platéia super-lotada do Golden Room do Copacabana Palace assistiu um show diferente, inclusive daquilo que esperava ver. Sim, porque a Lena Horne conhecida do cinema não é a que se vê no palco. Bem disse ela na sua entrevista que precisa do contato com o publico para se desenvolver completamente. De um começo meio tímido, talvez um tanto frio, passou a arrebatadora tão logo identificou-se com a assistência.

Além do mais, apesar de todo seu passado artístico, Lena estava emocionada ao entrar em cena. No seu vestido azul-chumbo, modelo exclusivo de rara elegância – diria que a cantora estava pálida. Ou foram as luzes rosas, azuis, brancas que a fizeram ficar com rosto que nem moreno era.

Rapidamente, porém, ela estava ganhando cor. E ânimo também. Quando entrou no samba de João Gilberto, cantando e dançando, a audiência já estava ganha. Era dela, inteiramente, sem ninguém ficar de fora. Lena estava à vontade para fazer o que quisesse; estava consagrada. Com lenço no pescoço, transpirando por todos os poros cantava com muita voz e muita graça, e com movimentação espetacular. Era a música, era o texto que dizia, era o ritmo e a melodia. Autêntico ‘one-woman-show’.

‘You don’t have to know the language’ (Jimmy Van Heusen-Johnny Burke), musicas de Cole Porter, de Gershwin, de contemporâneos,  arrancaram aplausos antecipados, nos primeiros acordes. E ‘Stormy wheather’ suspiros, seguidos pelo silencio de prender a respiração. Para irromper num aplauso que só os grandes do Golden Room tiveram a ventura de ouvir.

A orquestra, ensaiada e regida pelo marido Lennie Hayson, um espetáculo a parte. Ora discreta, ora dominadora, sempre se encaixando magnificamente nas canções de Lena ou vice-versa. E sem a cacete apresentação individual dos músicos. Que se marcam ao invés, com seus instrumentos no piano Benny Arrow, no trompete John Fresk, na bateria Frank Dunlop e o fabuloso Stuart Whereley no contrabaixo.

Verdadeira noite de gala, com publico dos mais elegantes para um grande espetáculo. Repertório ao agrado de todos, mas que deixou Lena visivelmente exausta. Que se prepare pois o bis vai sair insistentemente. J.L. 'Correio da Manhã',  25 May 1960

Julie London Setembro de 1960, se apresenta pela TV Tupi, cantando “Cry me a river”, seu maior sucesso.

Julie London, cool as can be, bewitches São Paulo.
Julie London na capa d' O Cruzeiro.

1 9 6 1 

Festival di San Remo - 3 a 10 Março 1961 - TV Tupi. Apresentações no Teatro Paramount apresentadas por Teddy Reno, com Tony Dallara, Aurelio Fierro, Miranda Martino e outros. No folheto citam Mina e Milva, mas nenhuma delas esteve por essas paragens. Daqui a troupee foi à Buenos Aires e depois voaram para New York.  
Propaganda enganosa: Mina e Milva estão incluidas no anúncio, mas ambas ficaram na Itália.
Aurelio Fierro, Teddy Reno, Wilma (?), Luciano Tajoli, Tony Dallara, Jula de Palma, ?, maestro Bruno Canfora & Miranda Martino.
Aurelio di Fierro se apresentando em São Paulo em 1961.
Tony Dallara in New York  na etapa norte-americana da tournee que Teddy Reno capitaneou; Aurelio Fierro no Central Park, N.Y.C.

O espetáculo de ontem - 4 Março 1961- no Teatro Paramount apresentado como uma reprodução, em São Paulo, do Festival di San Remo , foi uma oportunidade para o público paulistano ouvir e aplaudir as composições e os cantores preferidos. Evidentemente não se poderia exigir que se reproduzisse aqui o Festival, pois, na verdade não existe nenhum interesse do público pelas composições novas, em sua maioria ainda desconhecidas. Algumas das musicas mais novas nunca poderão cair na preferência do público pois são composições híbridas em que num ritmo monótono de cha-cha-cha se fazem alusões às terras de Espanha, ciganos e outras coisas de mau gosto. 

Nosso publico, como se viu ontem, queria ouvir as composições consagradas, ainda que fossem êxitos antigos. Dessa forma, Teddy Reno e Luciano Tajoli foram os mais aplaudidos. Tirando as canções conhecidas, que serão sempre aplaudidas como ‘Anima e cuore’, ‘Guaglione’, ‘Vurria’, ‘Piccolissima serenata’ e outras, conquistou o publico Yolanda Rossini pela voz, embora também tenha feito sua incursão pela Espanha, numa das canções, Silvia Guidi cantou um ‘Flamenco rock’, inteiramente inexpressivo apesar de toda boa vontade da interprete. Enfim, um bom espetáculo de musica italiana, que não dependeu das novidades do Festival di San Remo, mas do valor dos artistas.  jornal O Estado de S.Paulo de 5 Março 1961.

Comentário: o que se depreende lendo a resenha publicada no Estadão de 5 Março 1961 é que, na verdade, houve má-fé por parte dos promotores de tal 'Festival di San Remo' no anúncio de pelo menos duas atrações: Mina e Milva, as mais famosas, ficaram na Itália, mas continuaram sendo anunciadas como 'atrações' das noitadas. Yolanda Rossini e Silvia Guidi eram completamente desconhecidas então, como ainda o são nos dias de hoje (2014). 

Por outro lado se nota uma intransigência, má-vontade e muito etno-centrismo por parte do articulista do Estadão em esculhambar com a arte espanhola e cigana, ao criticar 'incursões italianas' nas terras de Cervantes. Mas, por outro lado, o que esperar de um reduto de filisteus tão aviltante como o desse jornalão? O articulista mostra toda sua ignorância musical e cultural ao afirmar 'as musicas mais novas (as do corrente ano de 1961) nunca poderão cair na preferência do público'. 

Nunca se imprimiu tanta besteira por centímetro-quadrado num só artigo. Várias músicas reveladas neste Festival de 1961 ficaram na história da Musica Italiana e se tornaram maiores do que as citadas anteriormente pelo articulista. 'Come sinfonia' de Pino Donaggio é quase uma sinfonia, 'Al di là' tornou-se imensamente popular, inclusive tornando-se tema musical do filme norte-americano 'Candelabro italiano', sucesso de bilheteria no mundo inteiro; '24 mila baci' tornou-se um hino do rock'n'roll italiano além de outras. O articulista mostrou todo seu provincianismo ao ser tão preconceituoso. 

Em sua biografia 'Ricordi' (Gremese Editore, 2001), Teddy Reno cita essa tournee como sendo seu primeiro trabalho como empresário. Teddy cansara de ser apenas cantor e prometeu a si próprio que o Festival di San Remo de 1961 seria sua última atividade como cantor. Ezio Radarelli, o maior empresário italiano de então, propôs que Teddy capitaneasse uma excursão de vários cantores em um giro pelo mundo. Após 2 meses de excursão, de volta a Roma, Radarelli perguntou a Reno como tinha sido. Teddy Reno mentiu-lhe dizendo que tudo dera errado e que eles tinham incorrido em prejuízo... mas logo em seguida retirou um bolo de notas de dólares do bolso e jogou-o em cima da mesa de Radarelli. Essa tinha sido a 1a. excursão artística de sucesso do empresário Teddy Reno. Dentro de menos de 1 ano ele descobriria uma nova mina de ouro, com a qual giraria o mundo novamente: Rita Pavone. 

                                                    Eartha Kitt                           OESP 5 March 1961.
Eartha Kitt - 3 Junho 1961 - apresenta-se no Teatro Ritz (antigo Cine Ritz-Consolação). Em 1961 e 1962, a TV Tupi alugou o Cine Ritz-Consolação, na Rua da Consolação, 2403, ao lado do Cine Trianon (futuro Cine Belas Artes) para apresentações de seus contratados internacionais, imitando assim o Canal 7 e seu glorioso Teatro Record (antigo Cine Rio) dois quarteirões abaixo, atravessando a rua.


Eartha Kitt - 25 May 1961 - 


Hanna Ahroni - 24 June 1961 - 

American Jazz Festival, orquestra com 15 figurantes, destacando-se a vocalista Chris Connor - 16 Julho 1961 no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, transmitido pela TV Tupi.


Vic Damone - 23 e 24 Julho 1961 -  Astro e cantor de Hollywood (de acordo com o anuncio da Tupi nos jornais) apresenta-se no Teatro Ritz, na Rua da Consolação. 

23 & 24 July 1961 
Vic Damone marries Anna Maria Pier Angeli in 1954; Pier Angeli & James Dean earlier on.

Della Reese - 15, 16 e 17 Agosto 1961 - Della - a maior estilista da canção norte-americana - de acordo com o anúncio no jornal canta no Teatro Ritz, e é televisionada pela TV Tupi. Miss Reese estava no auge de sua carreira, devido a um album de musicas baseadas em clássicos populares, sendo 'Serenata' de Schubert seu 'carro-chefe', que Angela Maria cantou a versão em português.

Della Reese 
Della Reese signed by TV  Tupi in Rio de Janeiro from 7 to 13 August 1961
16 August 1961 

Aurelio Fierro - o rei da canção napolitana - 24 & 25 September 1961 - Teatro Tupi 



Luciano Tajoli, o príncipe da voz italiana - sang at the Tennis Club Paulista's Gymnasium on Tuesday 17 October 1961, signed by TV Tupi  while Brenda Lee sang at Teatro Record for TV Record. 


Luciano Tajoli sang at TV Tupi, Channel 6 in Rio de Janeiro on 28 October 1961. 

Anita Bryant sings at Rio de Janeiro's TV Tupi, Channel 6 on 18 November 1961. 

Claudio Villa - sings at Teatro Tupi with musical revue 'Bella, sempre più bella' on 26 November 1961.  



Está em São Paulo, sendo bastante aplaudido, o cantor italiano Claudio Villa. Não é um artista à altura de Luciano Tajoli, o velho e excelente intérprete da canção popular napolitana. Tampouco poderá rivalizar com Domenico Modugno, cujo talento é tão grande que faz suportar, sem maiores reparos, seus exageros em cena ou suas excentricidades fora dela. E, finalmente, também em nada se parece com Renato Carosone que é também dado, como seu colega Modugno, a atitudes que chamam a atenção dos transeuntes e dos repórteres, que assim colaboram na farta publicidade que atrai o público aos auditórios onde se exibem.

Claudio Villa tem uma qualidade chamada moderação. Em cena, ao microfone não procura tumultuar o auditório. Não atira as pernas e os braços para todos os lados à maneira de um espantalho em pleno temporal. Não se escabela, não uiva. Enfim, é quase uma surpresa nos dias de hoje. 

Claudio é uma exceção raríssima, e, que se lhe compare, apenas nos recordamos de um artista cuja presença em cena foi também tão agradável de ver, o cantor Paul Anka.

Italian Claudio Villa ends up being compared to Canadian Paul Anka in a review published by daily OESP on 26 November 1961. 

Bienvenido Granda - 14 Janeiro 1961 - TV Excelsior, Canal 9. 



http://www.youtube.com/watch?v=2remXMDCx3U - 'Total' con Bienvenido Granda.

1 9 6 2 

Luciano Tajoli - TV Tupi - Tajoli volta a se apresentar em São Paulo um ano após ter participado da troupee do Festival di San Remo.

1 9 6 3


Gilberto Becaud arrives at São Paulo airport, seen here interviewed by radio-man Walter Silva.

Gilbert Becaud - 2 Maio 1963 pela TV Excelsior - o criador de 'Et maintenant' - 'Monsieur 100 volts' fêz muito sucesso como 'chansonier' e 'show-man', tendo cantado, dançado, representado e encantado a platéia do Cine-Teatro Paramount.


Ray Charles - TV Excelsior - o DVD dessa apresentação foi lançado nos EEUU; eu tive a chance de vê-lo e é um primor de excelência. Tal DVD só existe porque Ray Charles exigiu que a Emissora da rua Nestor Pestana gravasse um VT (video-tape) para ele levar para os U.S.A. Se não tivesse havido essa exigência por parte do Genius, não haveria nada para se ver, como tantos outros cartazes internacionais que por aqui passaram e nada ficou gravado.

o show está inteiro no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=qRlqjUIjryI

or only some lighlighs: https://www.youtube.com/watch?v=sBU61O8XXhU

1 9 6 5

Connie Francis - 9 Fevereiro 1965 em única apresentação no Teatro de Cultura Artística na Rua Nestor Pestana. Miss Francis tinha sido convidada por Abraão Medina para inaugurar o Teatro ... no Rio de Janeiro. Aproveitando sua apresentação no Festival di San Remo de 1965, Connie voa de Roma ao Rio e do Rio toma a ponte-aérea se apresentando uma noite em São Paulo, seu show tendo sido transmitido pela TV Excelsior, Canal 9.

Shawn Elliot in São Paulo.

Johnny Mathis – 10 e 11 Junho 1965 – no auditório da TV Excelsior em São Paulo.


Alain Barrière in New York... and São Paulo.

Alain BarrièreTV Tupi – na esteira de ‘Ma vie’, a Tupi trouxe o Barrière, mas poucos ficaram sabendo... eu sei, pois fui atrás de um autógrafo lá na entrevista coletiva no Conjunto Nacional.

Shawn Eliott – criador de “Shame and scandal in the family”.  Não sei por qual emissora ele se apresentou.
1 9 6 8 

Ornella Vanoni - 21 Abril 1968 no Fasano Jardim de Inverno na Avenida Paulista às 21 e 24 horas. No dia seguinte (domingo) Ornella se apresenta na TV Globo no Rio de Janeiro 


2 comments:

  1. Roy Rodgers apresentou-se na Tv Record.

    ReplyDelete
  2. Obrigado pela informação. Já tinham me dito isso, você veio confirmar...

    ReplyDelete